Ir para o conteúdo

Prefeitura de Garça - SP e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
CIDADÃO
CIDADÃO
EMPRESA
EMPRESA
SERVIDOR
SERVIDOR
TRANSPARÊNCIA
TRANSPARÊNCIA
Prefeitura de Garça - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Tiktok
Rede Social Twitter
Rede Social Youtube
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
NOV
01
01 NOV 2022
CULTURA
146 visualizações
Em casa Sessão + Bate-papo de Cinema Pontos MIS com Iracema – uma transa amazônica
enviar para um amigo
receba notícias
O diretor do filme, Jorge Bodanzky, e a protagonista, Edna de Cássia, participam de um bate-papo a diretora e roteirista Giuliana Monteiro.
O Bate-papo de Cinema Pontos MIS realiza exibições de filmes seguidos de debates ao vivo no YouTube do Museu, buscando trazer membros da equipe dos filmes, pesquisadores da área, críticos de cinema, jornalistas e agentes cineclubistas para discutir sobre a obra e apresentar curiosidades da produção.
O filme fica disponível on-line de 04.11 a 06.11 por meio deste link. Bate-papo estreia no dia 05.11, às 18h, no canal do MIS no YouTube.  Gratuito on-line, com interpretação em Libras e classificação indicativa 16 anos.
Em novembro, o diretor do filme, Jorge Bodanzky, e a protagonista, Edna de Cássia, participam do programa comentando o filme “Iracema – uma transa amazônica” (Brasil, 1975, 91min, 16 anos). A história, narrada em estilo semidocumental, segue a trajetória de um caminhoneiro e uma prostituta, que viajam juntos pela Rodovia Transamazônica recém-construída. O caminhoneiro, apelidado de Tião “Brasil Grande”, fala sempre da sua confiança no progresso do Brasil e de quão bem a construção da rodovia em plena floresta ajudará isso acontecer. Seu caminhão tem o famoso adesivo “Brasil, ame-o ou deixe-o” (popularizado pelo regime militar da época) no para-brisa; o para-choque traz os dizeres “Do destino ninguém foge”. A mediação da conversa é da diretora e roteirista Giuliana Monteiro.   

Sobre os convidados
Jorge Bodanzky nasceu em São Paulo, em 1942. Formado em cinema pela Escola de Design de Ulm, na Alemanha, iniciou sua carreira como fotógrafo, atuando em diversos órgãos da imprensa, entre eles a revista Realidade e o Jornal da Tarde. Sua estreia como diretor de cinema e sua ligação com a Amazônia aconteceram na década de 1970, com “Iracema – uma transa amazônica”, que denunciava a devastação da floresta e o modelo equivocado de ocupação. Este documentário ficcional, um dos filmes brasileiros mais premiados da década em festivais nacionais e internacionais, abriu caminho para uma sólida carreira, que inclui mais de 10 longas-metragens e dezenas de documentários para as TVs brasileira, alemã, francesa e italiana, como diretor, fotógrafo e produtor. Sua passagem para a internet se deu a partir de um CD-Rom sobre a Amazônia, encomendado pelo governo brasileiro para ser apresentado aos integrantes da reunião do G7, na Alemanha, em 1997. Além disso, realizou vários outros trabalhos nesta área, como os CD-ROMs para a Rio Filme sobre o Cinema Brasileiro dos Anos 1960 e para o Arquivo Nacional sobre o Rio 500 anos (O Rio de Janeiro no século XVI), além de sites para o Ibama, Unesco, Governo do Amapá e Parque Nacional do Itatiaia. série de seis capítulos “Transamazônica uma estrada para o passado” na HBO. Atualmente, assina uma coluna em vídeo para a revista ZUM do Instituto Moreira Salles e na revista amazonialatitude.com da Florida State University. 

Edna Cerejo, mais conhecida como Edna de Cássia, é atriz. De origem indígena, fez um único filme, “Iracema – uma transa amazônica”, em 1976, após ser descoberta em um programa de auditório de Belém pelo diretor Jorge Bodanzky. O filme seria censurado pela ditadura militar devido a sua temática – boa parte do filme é um contraponto à propaganda ufanista sobre a Transamazônica – sendo liberado apenas entre 1980 e 1981, quando iniciou sua participação em festivais e nas salas de cinema oficiais. Ela acabou ganhando o Troféu Candango do Festival de Cinema de Brasília de 1980 como melhor atriz. Ela decidiu não seguir a carreira, por não se considerar uma atriz. 

Sobre a mediadora
Giuliana Monteiro é roteirista e diretora nascida em São Paulo. Formada em Multimeios pela PUC-SP, trabalhou como produtora durante oito anos antes de dirigir seus primeiros projetos. Em 2011, mudou-se para Nova York com uma bolsa de estudos para cursar o mestrado em roteiro e direção de filmes na Universidade de Nova York (NYU, Tisch School of the Arts). Dirigiu e roteirizou seis projetos de curta-metragem nos últimos três anos – os curtas “Raízes” (experimental), “Margarete 6422” (documentário), “Stay” (ficção), “Felicidade” (ficção) e “Eu não digo adeus, digo até logo” (ficção) – partindo de uma linguagem mais documental para ficção. 
 
Assinatura 4 logos
Fonte: SECOM - secretaria de Comunicação e Eventos
Autor: Divulgação
Seta
Versão do Sistema: 3.2.8 - 16/11/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia