Ir para o conteúdo

Prefeitura de Garça - SP e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
CIDADÃO
CIDADÃO
EMPRESA
EMPRESA
SERVIDOR
SERVIDOR
TRANSPARÊNCIA
TRANSPARÊNCIA
Prefeitura de Garça - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Atendimento whatsApp
Rede Social Notícias no Telegram
Rede Social Canal de Notícias no WhatsApp
Rede Social Tiktok
Rede Social Youtube
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
MAR
28
28 MAR 2024
MEIO AMBIENTE
SAÚDE ANIMAL
398 visualizações
Por questões de saúde, Loira passará a ficar reclusa
enviar para um amigo
receba notícias
A iniciativa visa proteger a famosa Bugio e suas irmãs de doenças que podem ser transmitidas através do contato com ser humano e de ataques de outros animais.
A fêmea de Bugio Preto da espécie Alouatta caraya, que ficou conhecida como Loira, e suas irmãs que viviam soltas no Bosque Municipal de Garça, tiveram que voltar a viver em cativeiro.
Apesar de Loira e suas irmãs aparentarem ser adoráveis, permitindo a aproximação de humanos e muitas vezes buscando essa aproximação por iniciativa própria. Essa situação representa riscos tanto para as pessoas quanto para elas, podendo resultar em acidentes, como ataques a pessoas ou a elas por animais domésticos (que por regra não poderiam frequentar o Bosque como indicado nas placas de entrada do local), transmissão de doenças, além da possibilidade de atropelamento e eletrocussão, caso transpusessem os limites do Bosque Municipal.
A decisão de retorná-las para um recinto, já que nasceram em cativeiro no Bosque Municipal, foi fortalecida por um apontamento do órgão estadual DeFau em vistoria realizada no local. O DeFau é um dos departamentos vinculados à Coordenadoria de Fauna Silvestre (CFS) da Semil e tem em suas áreas de atuação a atribuição de realizar estudos, desenvolver modelos e propor normas voltadas ao manejo de fauna silvestre nativa e exótica, à destinação de animais silvestres e à gestão da fauna silvestre sob cuidados humanos.
Em relação à Loira e suas irmãs, a maior preocupação atual referia-se à ataques a elas por outros animais e à transmissão de doenças, conhecidas como zoonoses (doenças ou infecções naturalmente transmissíveis entre animais vertebrados e o homem) como por exemplo: tuberculose, raiva, leishmaniose, toxoplasmose e principalmente herpes, já que os primatas não humanos (por exemplo, macacos) não são naturalmente infectados pelo vírus causador da doença e só adquirem a doença pelo contato com humanos. A transmissão de herpes se faz através de contato com saliva e pode causar lesões ulcerativas em boca e língua, além de distúrbios neurológicos que geralmente levam o animal à morte.
Se você é um amante da natureza e dos animais silvestres, é crucial evitar alimentá-los ou se aproximar, visto que isso pode causar danos tanto a eles quanto a você. Contemplar a beleza desses seres sem estabelecer contato direto é uma forma de respeitar sua natureza selvagem. Além disso, é importante lembrar que muitos animais podem transmitir doenças e a proximidade excessiva pode colocar ambas as partes em risco. Ao observá-los à distância, estamos não apenas admirando sua beleza, mas também garantindo sua segurança e bem-estar.
Convém lembrar que é proibida a entrada de animais de estimação no Bosque, abrindo exceção apenas em ocasiões pontuais, como a Benção anual de São Francisco que acontece em horário determinado previamente e divulgado nas redes oficiais da Prefeitura.
Fonte: SECOM - Secretaria de Comunicação e Eventos
Seta
Versão do Sistema: 3.4.0 - 05/02/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia