Ir para o conteúdo

Prefeitura de Garça - SP e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura de Garça - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
FEV
04
04 FEV 2022
ADMINISTRAÇÃO
873 visualizações
Projeto de Lei para reajuste do salário dos servidores municipais, em 10,06%, foi protocolado na Câmara de Vereadores
enviar para um amigo
receba notícias
PROCESSANDO ÁUDIO
O reajuste proposto pelo Governo Federal para o magistério compromete o orçamento dos municípios e gera insegurança jurídica
A Prefeitura de Garça protocolou na Câmara de Vereadores o Projeto de Lei que trata, entre outras alterações, do reajuste salarial dos servidores públicos municipais estatutários, ACS-ACE e magistério, em 10,06%, conforme a apuração do índice IPCA/IBGE nos últimos 12 meses. O reajuste, que depende de autorização legislativa, além de valorizar o servidor público, é também uma medida para a manutenção do poder de compra face ao desequilíbrio inflacionário atual.
O Projeto de Lei terá seus efeitos retroativos para 1 de janeiro de 2022, para que não haja nenhum prejuízo quanto ao mês já trabalhado, o qual será devidamente compensada a diferença do reajuste na conta do servidor após a autorização legislativa.
Em relação ao piso do magistério, em que pese à veiculação do anúncio de 33,24% de reajuste pelo Governo Federal, o tema tem gerado grave insegurança jurídica para os municípios, pois o critério de reajuste anual do piso do magistério foi revogado com a Lei Federal nº 14.113/2020, que regulamentou o Novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB), estabelecendo assim um novo cenário para a Educação Básica Pública.
Vale ressaltar que o recurso financeiro do FUNDEB já é aplicado, quase em sua totalidade, no pagamento da remuneração dos profissionais do magistério, sendo apurado no exercício de 2021 a aplicação de 98,32% do recurso FUNDEB ao magistério.
A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) também se manifestou em nota publicada no último dia 28 de janeiro, sobre o aumento proposto pelo Governo Federal, afirmando ser  financeiramente impossível de ser aplicado, haja vista a indisponibilidade financeira dos municípios em arcar com tal reajuste, pois o piso do magistério cresceu 204% entre 2009 e 2021, superando o crescimento de 104% da inflação mensurada pelo INPC e de 143% do Fundo, recurso que serve para o financiamento de todos os níveis da Educação Básica.
O outro fator a ser considerado diz respeito a legalidade da situação, haja vista que a medida do reajuste anunciado pelo Governo Federal compromete o orçamento municipal, sobretudo no que diz respeito à aplicação em gastos com pessoal, o que ensejaria em grave insegurança jurídica ante as diretrizes prevista da Lei de Responsabilidade Fiscal.
Portanto, diante da situação da insegurança jurídica referente à responsabilidade fiscal e a indisponibilidade financeira, o reajuste do piso do magistério proposto pelo Governo Federal se torna inviável, não restando alternativa senão as medidas previstas no Projeto de Lei, que prevê o reajuste do magistério municipal em 10,06%, equiparado ao aplicado aos demais servidores públicos municipais.
Autor: Ana Lúcia Bez
Local: Secom - Secretaria de Comunicação e Eventos
Seta
Versão do Sistema: 3.2.3 - 06/06/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia