Ir para o conteúdo

Prefeitura de Garça - SP e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura de Garça - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
NOV
16
16 NOV 2021
SAAE
613 visualizações
SAAE intensifica fiscalização e combate o uso indiscriminado de água
enviar para um amigo
receba notícias
PROCESSANDO ÁUDIO
Lavar calçadas, quintais e carros com mangueiras podem gerar multas de até R$ 876,00
O nível do Córrego do Barreiro está muito abaixo no normal. Sem chuvas suficientes para recuperar a crise hídrica gerada pelos longos períodos de estiagem, hoje o principal manancial da cidade opera com uma vazão média de 150 metros cúbicos por hora, ou seja, 30% da capacidade registrada nos últimos anos. Esta situação preocupa e coloca em alerta o Serviço Autônomo de Águas e Esgotos de Garça – SAAE.
O último registro de chuva na cidade foi dia 28 de outubro, com 16,5 milímetros de água. De lá para cá as altas temperaturas e o consumo têm exigido da Estação de Captação e Recalque B1 verdadeiros malabarismos para manter o abastecimento no município.
Segundo o SAAE, não fosse a captação subterrânea do Sistema Aquífero Guarani, Garça já estaria vivendo uma crise sem precedentes.
No entanto, a vazão captada pelo poço, de 200 metros cúbicos/hora é insuficiente para atender toda a cidade. “Se não houver um consumo consciente, racional e sem desperdícios, teremos sérios problemas daqui para frente. Atualmente, estamos no período seco, o volume de chuva é muito pequeno e o que chove está abaixo da média”, afirmou o diretor do SAAE, André Pazzini Bomfim. 
Esse é o momento em que todos precisam fazer a sua parte.
Moradores de cidades da região, como Bauru, já tem sentido na pele os resultados da falta de água. Em Garça, apesar de o SAAE ainda não falar em rodízio ou racionamento da água, a situação já é alarmante.
As águas superficiais dos rios, córregos e minas que abastecem a cidade estão secando. Diante disso, a autarquia intensifica a fiscalização para evitar o uso abusivo da água. Lavar calçadas, quintais e carros com mangueiras podem gerar multas de até R$ 876,00 (oitocentos e setenta e seis reais).
É importante reforçar que o objetivo do SAAE como instituição não é multar os munícipes, mas continuar oferecendo água de qualidade a todos. Para que isto aconteça é preciso contar com a colaboração de todos no uso consciente da água.

 
Autor: Fábio Bonassa
Local: SECOM - Secretaria de Comunicação e Eventos
Seta
Versão do Sistema: 3.2.3 - 06/06/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia