Ir para o conteúdo

Prefeitura de Garça - SP e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
CIDADÃO
CIDADÃO
EMPRESA
EMPRESA
SERVIDOR
SERVIDOR
TRANSPARÊNCIA
TRANSPARÊNCIA
Prefeitura de Garça - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Atendimento whatsApp
Rede Social Notícias no Telegram
Rede Social Canal de Notícias no WhatsApp
Rede Social Tiktok
Rede Social Youtube
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
SET
11
11 SET 2023
CAMPANHA MENSAL
SAÚDE
121 visualizações
Setembro Verde: Conscientização Sobre a Doação de Órgãos
enviar para um amigo
receba notícias
A doação de órgãos é um ato de amor, pois permite que outra pessoa continue vivendo.
Você conhece o Setembro Verde? É uma campanha que visa conscientizar e incentivar a sociedade sobre a doação de órgãos. O Brasil é referência mundial na área de transplantes e possui o maior sistema público de transplantes do mundo. Em números absolutos, o Brasil é o 2º maior transplantador do mundo, atrás apenas dos EUA.
Apesar da sua importância, ainda há muita desinformação e dúvidas em torno desse tema. Por isso, confira o que é doação de órgãos, como funciona, como se tornar doador e, claro, os mitos e verdades.

O que é doação de órgãos
A doação de órgãos é um ato por meio do qual podem ser doados de uma pessoa partes do corpo, sejam órgãos ou tecidos, para serem utilizados no tratamento de outra pessoa, com a finalidade de reestabelecer a função do órgão ou tecido doente. A doação é um ato que pode salvar vidas.
O Brasil possui o maior programa público de transplantes do mundo, que é garantido a toda a população por meio do SUS, responsável pelo financiamento de cerca de 88% dos transplantes no país. Apesar do grande volume de procedimentos de transplantes realizados, a quantidade de pessoas em lista de espera para receber um órgão ainda é grande, pois para receber um órgão, a pessoa precisa enquadrar-se em vários exames que indique que ao receber o órgão doado, a probabilidade de rejeição não será grande, além de estar com a resistência apta para o procedimento, caso contrário, ela poderia morrer ainda na mesa de cirurgia.

Saiba mais:
  • Podem ser doados: rins, fígado, coração, pulmões, pâncreas, intestino, córneas, válvulas cardíacas, pele, osso e tendões.
  • A doação de órgãos como o rim, parte do fígado, parte do pulmão e da medula óssea podem ser feitas em vida.
  • Pessoas falecidas podem doar somente após a confirmação do diagnóstico de morte encefálica ou após parada cardiorespiratória.
  • A morte encefálica ocorre quando há uma perda completa e irreversível de todas as funções cerebrais. Ela pode ser resultado de um acidente (de trânsito, quedas, etc) ou acidente vascular cerebral (AVC/derrame).

Como funciona a lista de doações de órgãos
Recentemente, o apresentador Faustão precisou de um transplante do coração e o seu caso teve prioridade na fila. Para começar, é importante destacar que “fila” é um termo inadequado justamente porque gera confusão nas pessoas. Utilizar o termo “lista” é mais adequado porque há uma série de critérios para se fazer um transplante de órgãos.
A lista para transplantes é única, atendendo tanto pacientes do SUS quanto da rede privada. A ordem de espera por um órgão se baseia em critérios técnicos, considerando tipagem sanguínea, compatibilidade de peso, altura e genética, além da gravidade específica para cada órgão.
Quando os critérios técnicos são semelhantes, a prioridade é determinada pela ordem de cadastro. Pacientes em estado crítico têm atendimento prioritário devido à sua condição clínica.
Além disso, a iminência de risco de morte e as condições clínicas do paciente em espera são fatores determinantes na priorização da fila de transplante. São eles: a impossibilidade total de acesso para diálise (filtração do sangue) no caso de doentes renais; a insuficiência hepática aguda grave para doentes do fígado; necessidade de assistência circulatória para pacientes cardiopatas; e rejeição de órgãos recentes transplantados.

Como ser doador
Se você deseja ser doador, a primeira coisa a fazer é avisar a sua família sobre a sua vontade. A lei brasileira exige o consentimento da família, ou seja, seus familiares precisam autorizar a doação e a retirada dos órgãos e tecidos.
Não é necessário deixar a vontade expressa em documentos ou cartórios, basta que sua família atenda ao seu pedido e autorize. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores em vida. Não parentes, somente com autorização judicial.
A morte de um ente querido é sempre uma situação difícil, mas é justamente nesse momento que o sofrimento pode ser transformado em um ato de esperança ao dar uma nova vida para pessoas que aguardam na lista de espera.
Se você tem um parente doador, respeite à vontade dele. Atualmente, aproximadamente metade das famílias entrevistadas não concorda que sejam retirados os órgãos e tecidos do ente falecido para doação. Em muitos desses casos a pessoa poderia ter sido um doador.
Após a confirmação da morte encefálica, uma equipe aborda a família para esclarecer o processo de doação e obter consentimento. Se a família concorda em doar, os profissionais investigam o histórico clínico do possível doador, avaliando fatores como doenças crônicas, infecções ou mesmo uso de drogas injetáveis, que podem comprometer a viabilidade do órgão.
Um doador pode salvar até 8 vidas.

Fonte: AFFIX
 
Fonte: Divulgação
Autor: Divulgação
Seta
Versão do Sistema: 3.3.8 - 08/11/2023
Copyright Instar - 2006-2023. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia