Ir para o conteúdo

Prefeitura de Garça - SP e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
CIDADÃO
CIDADÃO
EMPRESA
EMPRESA
SERVIDOR
SERVIDOR
TRANSPARÊNCIA
TRANSPARÊNCIA
Prefeitura de Garça - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Atendimento whatsApp
Rede Social Notícias no Telegram
Rede Social Canal de Notícias no WhatsApp
Rede Social Tiktok
Rede Social Youtube
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
MAI
09
09 MAI 2023
ASSISTÊNCIA SOCIAL
ATENÇÃO
CAMPANHA MENSAL
DIREITOS HUMANOS
1438 visualizações
Maio Laranja - Combate Ao Abuso Infantil
enviar para um amigo
receba notícias
Ao identificar qualquer alteração comportamental da criança, procure ajuda.
O mês de maio é dedicado para se falar a respeito do abuso infantil e a divulgar o número disque 100, um número dedicado a se denunciar de forma anônima todas as violações aos direitos humanos.  

Maio foi escolhido como o mês e dia 18 de maio é a data principal, pois remetem a história de Araceli, uma menina de apenas oito anos de idade que em 18 de maio de 1973 foi sequestrada, drogada, violentada sexualmente e assassinada, em Vitória, no Espírito Santo. Mas, em 1991, os três réus acusados foram absolvidos e o crime permanece impune.

Diante deste triste acontecimento, foi criado o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual e Comercial de Crianças e Adolescentes, através da Lei Federal 9.970/2000, que instituiu o dia 18 de maio e o mês de maio como datas de conscientização social contra o abuso e a violência infantil.

Em 2020 surgiu a Campanha Faça Bonito – Proteja Nossas Crianças e Adolescentes, com o objetivo mostrar à sociedade que a causa é compromisso coletivo: cuidar para que a população infanto-juvenil tenha uma vida plena e com a garantia do direito ao desenvolvimento sexual saudável, sem violência.


Uma triste realidade no Brasil

Segundo a ONG Maio Laranja, a  cada hora, 3 crianças são abusadas no Brasil. Entre as vítimas, mais da metade, cerca de 51%, tem entre 1 a 5 anos de idade. Por ano, são meio milhão de crianças e adolescentes explorados sexualmente no país, sendo que há uma subnotificação dos casos: a expectativa é que somente 7,5% dos casos sejam denunciados.

E, ao contrário do que possa parecer, a maior parte dos casos de exploração sexual de crianças e adolescentes, 52%, acontecem dentro de casa. De acordo com especialistas, as vítimas desse tipo de violência se tornam adultos que se sentem extremamente constrangidos e angustiados em diversas situações.

Para identificar possíveis casos de violência, é importante manter um diálogo aberto entre as crianças e os pais. Isso porque uma boa relação ajuda que pais e responsáveis percebam possíveis casos em que a criança se torna envergonhada com o próprio corpo, por exemplo. 

Se antes ela não tinha vergonha de mostrar ou ver o próprio corpo ou ela não tinha esse retraimento em relação à sexualidade e passa a ter, é um sinal de alerta para pais ou responsáveis.


Consequências da exploração sexual infantil

Diversos autores apontam que o abuso sexual leva a consequências para crianças e adolescentes, que podem afetá-los por toda a vida. 
  • Em curto prazo, ocorrem alterações como:
  • pesadelos e problemas com o sono;
  • mudanças de hábitos alimentares;
  • perda do controle de esfíncteres;
  • consumo de drogas e álcool;
  • fugas;
  • condutas suicidas ou de automutilação; 
  • hiperatividade;
  • diminuição do rendimento escolar;
  • medo generalizado;
  • agressividade;
  • culpa e vergonha;
  • isolamento;
  • baixa auto-estima; 
  • rejeição ao próprio corpo;
  • conhecimento sexual precoce e impróprio para a sua idade;
  • masturbação compulsiva;
  • exibicionismo;
  • problemas de identidade sexual;
  • déficit em habilidades sociais;
  • retração social; 
  • comportamentos antissociais. 

Algumas consequências podem permanecer ao longo do tempo, tornando- se, em alguns casos, patologias graves. São várias as sequelas presentes na vítima que sofre abuso sexual. É uma violência física e psicológica, uma marca presente a cada dia e que, na maioria das vezes, não se apaga. São elas, por exemplo: 
  • dores crônicas gerais, hipocondria ou transtornos psicossomáticos;
  • alterações do sono e pesadelos constantes; 
  • problemas gastrointestinais ou desordem alimentar,
  • tentativa de suicídio;
  • consumo de drogas e álcool.
  • transtorno de identidade;
  • depressão, ansiedade e baixa autoestima; 
  • dificuldade para expressar sentimentos;
  • fobias sexuais;
  • disfunções sexuais;
  • falta de satisfação ou incapacidade para o orgasmo;
  • alterações da motivação sexual;
  •  problemas de relação interpessoal;
  • dificuldades de vínculo afetivo com os filhos. 

Ao identificar qualquer alteração comportamental da criança, procure ajuda. Infelizmente, a maior parte dos casos que ocorrem no Brasil apontam que o agressor está mais perto do que se imagina, sendo, em sua grande maioria tios, avós, pais, padrastos, primos, amigos dos pais e vizinhos.
 
 Assinatura 4 logos
Canais Oficiais da Prefeitura de Garça:
Site: garca.sp.gov.br
Telegram: canal de notícias t.me/prefeituragarca
WhatsApp: grupos de notícias 1 https://chat.whatsapp.com/J34bEXYO8hQJZeGsuYqo2O e 2 https://chat.whatsapp.com/Gx7jk3YhsEZ5CtjHf4gUUg; ambos recebem as mesmas notícias.
Instagram: instagram.com/prefeituragarca
Facebook: facebook.com/prefeituragarca
Twitter: twitter.com/prefeituragarca
TikTok: tiktok.com/@prefeituragarca
Youtube: youtube.com/@prefeituragarcasp

 
Fonte: SECOM - Secretaria de Comunicação e Eventos
Autor: Andreza Sega
Seta
Versão do Sistema: 3.4.0 - 05/02/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia